Carta para um mundo sem violência

Marcha Mundial pela Paz Notícias

A “Carta para um mundo sem violência” é o resultado de vários anos de trabalho de diferentes indivíduos e organizações que ganharam o Prêmio Nobel da Paz. 

O primeiro rascunho foi apresentado na Sétima Cúpula do Prêmio Nobel em 2006 e a versão final foi aprovada na Oitava Cúpula em dezembro de 2007 em Roma. 

As opiniões e propostas são muito semelhantes às que vemos aqui em março deste ano.

Em 11 de novembro de 2009, durante a Décima Cúpula Mundial em Berlim, os vencedores do Prêmio Nobel da Paz apresentaram a Carta por um mundo sem violência aos promotores da Marcha Mundial pela Paz e pela Não-Violênciaque atuarão como emissários do documento como parte de seus esforços para aumentar a conscientização global sobre a violência

Silo, fundador do Humanismo Universalista e uma inspiração para a Marcha Mundial, falou sobre o significado de Paz e Não-Violência na época.

CARTA PARA UM MUNDO SEM VIOLÊNCIA

A violência é uma doença previsível.

Nenhum Estado ou indivíduo pode estar seguro em um mundo inseguro.

Os valores da não-violência deixaram de ser uma alternativa para se tornar uma necessidade, tanto nas intenções quanto nos
pensamentos e práticas.

Esses valores são expressos em sua aplicação às relações entre estados, grupos e indivíduos.

Estamos convencidos de que a adesão aos princípios da não-violência introduzirá uma ordem mundial mais civilizada e pacífica, na qual um governo mais justo e eficaz poderá ser realizado, respeitando a dignidade humana e a sacralidade da própria vida.

Nossas culturas, nossas histórias e nossas vidas individuais estão interconectadas e nossas ações são interdependentes.

Hoje, como nunca antes, acreditamos que estamos diante de uma verdade: o nosso é um destino comum. Esse destino será determinado por nossas intenções, nossas decisões e nossas ações hoje.

Acreditamos firmemente que criar uma cultura de paz e não-violência é uma meta nobre e necessária, mesmo que seja um processo longo e difícil. 

Afirmar os princípios estabelecidos nesta Carta é um passo vital para garantir a sobrevivência e o desenvolvimento da humanidade e alcançar um mundo sem violência. 

Nós, pessoas e organizações agraciadas com o Prêmio Nobel da Paz,  reafirmando nosso compromisso com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, preocupados com a necessidade de pôr um fim à propagação da violência em todos os níveis da sociedade e, acima de tudo, as ameaças que ameaçam globalmente a própria existência da humanidade;

Reafirmando que a liberdade de pensamento e expressão está na raiz da democracia e da criatividade;

Reconhecendo que a violência se manifesta de várias formas, seja como conflito armado, ocupação militar, pobreza, exploração econômica, destruição do meio ambiente, corrupção e preconceitos baseados em raça, religião, gênero ou orientação sexual;

Reparando que a glorificação da violência, como expressa pelo comércio de entretenimento, pode contribuir para a aceitação da violência como uma condição normal e admissível;

Convencidos de que os mais afetados pela violência são os mais fracos e mais vulneráveis;

Tendo em mente que a paz não é apenas a ausência de violência, mas também a presença de justiça e o bem-estar do povo;

Considerando que o reconhecimento inadequado da diversidade étnica, cultural e religiosa pelos Estados está na raiz de grande parte da violência que existe no mundo;

Reconhecendo a urgência de desenvolver uma abordagem alternativa à segurança coletiva com base em um sistema no qual nenhum país ou grupo de países deva possuir armas nucleares para sua própria segurança;

Consciente de que o mundo precisa de mecanismos globais eficientes e de práticas não violentas de prevenção e resolução de conflitos, e que estes são mais bem-sucedidos quando adotados o mais cedo possível;

Afirmando que aqueles com dotações de poder têm a maior responsabilidade de acabar com a violência, onde quer que ela se manifeste, e evitá-la sempre que possível;

Convencidos de que os princípios da não-violência devem ter sucesso em todos os níveis da sociedade, bem como nas relações entre estados e indivíduos;

Convidamos a comunidade internacional a favorecer o desenvolvimento dos seguintes princípios:

 

1.

Em um mundo interdependente, a prevenção e cessação de conflitos armados entre Estados e dentro dos Estados exigem ação coletiva da comunidade internacional.

A melhor maneira de garantir a segurança de cada um dos estados é avançar na segurança humana global.

Isso requer o fortalecimento da capacidade de execução do sistema da ONU e das organizações de cooperação regional.

 

2.

Para alcançar um mundo sem violência, os Estados devem sempre respeitar o estado de direito e honrar seus acordos legais.

 

3.

É essencial avançar sem demora para a eliminação verificável de armas nucleares e outras armas de destruição em massa.

Os Estados que possuem essas armas devem tomar medidas concretas em direção ao desarmamento e adotar um sistema de defesa que não se baseie na dissuasão nuclear.

Ao mesmo tempo, os Estados devem procurar consolidar um regime de não proliferação nuclear, fortalecendo também as verificações multilaterais, protegendo o material nuclear e realizando o desarmamento.

 

4.

Para reduzir a violência na sociedade, a produção e a venda de armas pequenas e armamento leve devem ser reduzidas e estritamente controladas nos níveis internacional, estadual, regional e local.

Além disso, deve haver uma aplicação total e universal de acordos internacionais de desarmamento, como o Tratado de Proibição de Minas de 1997, e o apoio a novos esforços destinados a eliminar o impacto de armas indiscriminadas ativadas por vítimas, como munições de fragmentação.

 

5.

O terrorismo nunca pode ser justificado, porque a violência gera violência e porque nenhum ato de terror contra a população civil de qualquer país pode ser perpetrado em nome de qualquer causa.

A luta contra o terrorismo não pode, no entanto, justificar a violação dos direitos humanos, direito internacional humanitário, normas da sociedade civil e democracia.

 

6.

Acabar com a violência doméstica e familiar requer respeito incondicional pela igualdade, liberdade, dignidade e pelos direitos das mulheres, homens e crianças, em nome de todos os indivíduos e instituições do Estado, da religião e da religião. sociedade civil. Tais tutelas devem ser incorporadas às leis e convenções locais e internacionais.

 

7.

Cada indivíduo e Estado compartilham a responsabilidade de prevenir a violência contra crianças e jovens, que representam nosso futuro comum e nosso bem mais precioso, e promovem oportunidades educacionais, acesso à atenção primária à saúde, segurança pessoal e proteção social e um ambiente lisonjeiro que fortalece a não-violência como estilo de vida.

A educação em paz, que promove a não-violência e a ênfase na compaixão como uma qualidade inata do ser humano, deve ser uma parte essencial dos programas educacionais em todos os níveis.

 

8.

A prevenção de conflitos decorrentes do esgotamento dos recursos naturais e, em particular, das fontes de água e energia exige que os Estados desenvolvam um papel ativo e instituam sistemas e modelos legais dedicados à proteção ambiental e incentivem a contenção de seu consumo com base na disponibilidade de recursos e as reais necessidades humanas.

 

9.

Convidamos as Nações Unidas e seus Estados membros a promoverem um reconhecimento significativo da diversidade étnica, cultural e religiosa.

A regra de ouro de um mundo não violento é: “Trate os outros como gostaria de ser tratado”.

 

10.

Os principais instrumentos políticos necessários para forjar um mundo não violento são instituições democráticas efetivas e diálogo baseado na dignidade, conhecimento e comprometimento, conduzidos em relação ao equilíbrio entre as partes e, quando apropriado, tendo em mente também os aspectos da sociedade humana como um todo e o ambiente natural em que vive.

 

11.

Todos os estados, instituições e indivíduos devem apoiar os esforços para superar as desigualdades na distribuição de recursos econômicos e resolver grandes desigualdades que criam um terreno fértil para a violência.

A disparidade das condições de vida inevitavelmente leva à falta de oportunidades e, em muitos casos, à perda de esperança.

 

12.

A sociedade civil, incluindo defensores de direitos humanos, pacifistas e ativistas ambientais, deve ser reconhecida e protegida como essencial para a construção de um mundo não violento, assim como todos os governos devem servir seus próprios cidadãos e não oposto. 

Devem ser criadas condições para permitir e incentivar a participação da sociedade civil, particularmente as mulheres, em processos políticos nos níveis global, regional, nacional e local.

 

13.

Ao colocar em prática os princípios desta Carta, nos dirigimos a todos para trabalharmos juntos por um mundo justo e assassino, no qual todos tenham o direito de não serem mortos e, ao mesmo tempo, o dever de não matar. a ninguém.

Assinaturas da Carta para um mundo sem violência

Para remediar todas as formas de violência, incentivamos a pesquisa científica nos campos da interação e do diálogo humano e convidamos as comunidades acadêmicas, científicas e religiosas a nos ajudar na transição para uma sociedade não violenta e não assassina. 

Assine a Carta por um mundo sem violência.

Prêmios Nobel

Mairead Corrigan Maguire

Sua Santidade o Dalai Lama

Mikhail Gorbachev

Lech Walesa

Frederik Willem De Klerk

Arcebispo Desmond Mpilo Tutu

Jody Williams

Shirin Ebadi

Mohamed ElBaradei

John hume

Carlos Filipe Ximenes Belo

Betty Williams

Muhammad Yanus

Wangari Maathai

Médicos Internacionais para a Prevenção da Guerra Nuclear

Cruz Vermelha

Agência Internacional de Energia Atômica

Comitê de Serviço de Amigos Americanos

Escritório Internacional da Paz

Apoiadores da Carta:

Instituições:

Governo Basco

Município de Cagliari, Itália

Província de Cagliari, Itália

Município de Villa Verde (OR), Itália

Município de Grosseto, Itália

Lesignano de ‘Bagni (PR), Itália

Município de Bagno a Ripoli (FI), Itália

Município de Castel Bolognese (RA), Itália

Município de Cava Manara (PV), Itália

Faenza (RA), Itália

Organizações:

Pessoas da paz, Belfast, Irlanda do Norte

Associação Memória Collettiva, Associação

Hokotehi Moriori Trust, Nova Zelândia

Mundo sem guerras e sem violência

Centro Mundial de Estudos Humanistas (CMEH)

A Comunidade (para o desenvolvimento humano), Federação Mundial

Convergência de Culturas, Federação Mundial

Federação Internacional de Partidos Humanistas

Associação “Cádis pela Não-Violência”, Espanha

Fundação Internacional Mulheres pela Mudança (Reino Unido, Índia, Israel, Camarões, Nigéria)

Instituto de Paz e Estudos Seculares, Paquistão

Associação Assocodecha, Moçambique

Fundação Awaz, Centro de Serviços de Desenvolvimento, Paquistão

Eurafrica, Associação Multicultural, França

Jogos da Paz UISP, Itália

Moebius Club, Argentina

Centro para o criativo “Danilo Dolci”, Itália

Iniciativa Européia do Centro Estudado, Itália

Instituto de Segurança Global, EUA

Gruppo Emergency Alto Casertano, Itália

Sociedade Boliviana de Origami, Bolívia

Il sentiero del Dharma, Itália

Gocce di fraternità, Itália

Fundação Aguaclara, Venezuela

Associazione Lodisolidale, Itália

Coletiva de educação em direitos humanos e prevenção ativa de conflitos, Espanha

ETOILE.COM (Agência Alemã de Edição, Pesquisa, Imprensa e Comunicação), Ruanda

Organização para a Juventude em Direitos Humanos, Itália

Ateneu de Petare, Venezuela

Associação Ética da CÉGEP de Sherbrooke, Quebec, Canadá

Federação de Instituições Privadas de Assistência à Infância, Juventude e Família (FIPAN), Venezuela

Centre Communautaire Jeunesse Unie de Parc Extension, Quebec, Canadá

Médicos para a Sobrevivência Global, Canadá

UMOVE (Mães Unidas contra a violência em todos os lugares), Canadá

Raging Grannies, Canadá

Veteranos contra armas nucleares, Canadá

Transformative Learning Center, Universidade de Toronto, Canadá

Promotores da paz e da não-violência, Espanha

ACLI (Associazioni Cristiane Lavoratori Italiani), Itália

Legautonomie Veneto, Itália

Istituto Buddista Italiano Soka Gakkai, Itália

UISP Lega Nazionale Attività Subacquee, Itália

Comissão Giustizia e Pace di CGP-CIMI, Itália

Notável:

Sr. Walter Veltroni, ex-prefeito de Roma, Itália

Sr. Tadatoshi Akiba, Presidente dos Prefeitos pela Paz e Prefeito de Hiroshima

Sr. Agazio Loiero, Governador da Região da Calábria, Itália

MS Swaminathan, Ex-Presidente das Conferências Pugwash sobre Ciência e Assuntos Mundiais, Organização do Prêmio Nobel da Paz

David T. Ives, Instituto Albert Schweitzer

Jonathan Granoff, Presidente do Instituto de Segurança Global

George Clooney, ator

Don Cheadle, ator

Bob Geldof, cantor

Tomás Hirsch, porta-voz do humanismo na América Latina

Michel Ussene, porta-voz do humanismo na África

Giorgio Schultze, porta-voz do humanismo na Europa

Chris Wells, palestrante de humanismo na América do Norte

Sudhir Gandotra, porta-voz do humanismo na região Ásia-Pacífico

Maria Luisa Chiofalo, Assessora do Município de Pisa, Itália

Silvia Amodeo, Presidente da Fundação Meridion, Argentina

Miloud Rezzouki, Presidente da Associação ACODEC, Marrocos

Angela Fioroni, Secretária Regional da Legautonomie Lombardia, Itália

Luis Gutiérrez Esparza, Presidente do Círculo Latino-Americano de Estudos Internacionais (LACIS), México

Vittorio Agnoletto, ex-membro do Parlamento Europeu, Itália

Lorenzo Guzzeloni, prefeito de Novate Milanese (MI), Itália

Mohammad Zia-ur-Rehman, Coordenador Nacional da GCAP-Paquistão

Raffaele Cortesi, prefeito de Lugo (RA), Itália

Rodrigo Carazo, ex-presidente da Costa Rica

Lucia Bursi, prefeita de Maranello (MO), Itália

Miloslav Vlček, Presidente da Câmara dos Deputados da República Tcheca

Simone Gamberini, prefeito de Casalecchio di Reno (BO), Itália

Lella Costa, Atriz, Itália

Luisa Morgantini, ex-vice-presidente do Parlamento Europeu, Itália

Birgitta Jónsdóttir, membro do Parlamento da Islândia, Presidente dos Amigos do Tibete na Islândia

Italo Cardoso, Gabriel Chalita, José Olímpio, Jamil Murad, Quito Formiga, Agnaldo

Timóteo, João Antonio, Juliana Cardoso Alfredinho Penna (“Frente Parlamentar da Marcha Mundial da Paz Marcha contra a Paz e a Não Violência em São Paulo”), Brasil

Katrín Jakobsdóttir, Ministro da Educação, Cultura e Ciência, Islândia

Loredana Ferrara, Assessora da Província de Prato, Itália

Ali Abu Awwad, ativista da paz pela não-violência, Palestina

Giovanni Giuliari, Assessor do Município de Vicenza, Itália

Rémy Pagani, prefeito de Genebra, Suíça

Paolo Cecconi, prefeito de Vernio (PO), Itália

Viviana Pozzebon, cantora, Argentina

Max Delupi, jornalista e motorista, Argentina

Páva Zsolt, prefeito de Pécs, Hungria

György Gemesi, prefeito de Gödöllő, presidente de autoridades locais, Hungria

Agust Einarsson, reitor da Universidade de Bifröst, Islândia

Svandís Svavarsdóttir, Ministro do Meio Ambiente, Islândia

Sigmundur Ernir Rúnarsson, Membro do Parlamento, Islândia

Margrét Tryggvadóttir, Membro do Parlamento, Islândia

Vigdís Hauksdóttir, Membro do Parlamento, Islândia

Anna Pála Sverrisdóttir, Deputada, Islândia

Thráinn Bertelsson, Membro do Parlamento, Islândia

Sigurður Ingi Jóhannesson, Membro do Parlamento, Islândia

Omar Mar Jonsson, prefeito de Sudavikurhreppur, Islândia

Raul Sanchez, Secretário de Direitos Humanos da Província de Córdoba, Argentina

Emiliano Zerbini, Músico, Argentina

Amalia Maffeis, Servas – Córdoba, Argentina

Almut Schmidt, diretor do Goethe Institut, Córdoba, Argentina

Asmundur Fridriksson, prefeito de Gardur, Islândia

Ingibjorg Eyfells, diretor da escola, Geislabaugur, Reykjavik, Islândia

Audur Hrolfsdottir, Diretor da Escola, Engidalsskoli, Hafnarfjordur, Islândia

Andrea Olivero, Presidente Nacional da Acli, Itália

Dennis J. Kucinich, Membro do Congresso, EUA

 

FONTE: https://theworldmarch.org/carta-mundo-sin-violencia/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.